quinta-feira, 12 de março de 2009

Não é um carro, não é um camião, não é mais um 4x4, é um HUMMER.

Quando surge a oportunidade de experimentar um “martelo” que não é um carro, não é um camião, não é um comum 4x4, é um HUMMER, todos os pedacinhos da nossa epiderme fervilham de excitação, qual miúdo de bicicleta nova, isto sim é um brinquedo e que grande caixa embrulhada seria, cabendo apenas debaixo da maior árvore de natal da Europa.
A excentricidade do povo americano cabe inteirinha dentro do “martelo”, tem potência que se vê, ouve e se sente. Roda-se a chave e percebe-se de imediato o “Tio Sam” a gritar bem alto “Parem todos os que circulam que vai desfilar a América” e é ai nesse preciso momento que as pessoas abrandam, param e observam para ver passar um HUMMER, e nós que vamos ao volante sentimos, pelo menos uma vez na vida, que no asfalto ou na terra batida quem manda… não, não somos nós… é o HUMMER .

Veículo civil ou Tanque de Guerra?

A pergunta faz todo o sentido, principalmente quando nos sentamos dentro da caixa forte, ao olharmos de dentro para fora reparamos por fim nas suas origens, um veículo primeiramente inventado para servir o exército americano em terrenos difíceis, janelas pequenas acentuam a sensação de carro militar dificultando um pouco a visibilidade, mas bancos em pele com regulações eléctricas, rádio de excelente performance, ar condicionado, direcção assistida, ABS e uma caixa automática de 3 relações, levam-nos de imediato a concluir que estamos perante um automóvel 4x4 para uso civil, mas sabem uma coisa, podemos sempre fingir que somos o “Rambo”.

“Martelo” esculpido ou para esculpir?
De dimensões exteriores mais discretas, quando comparadas com os seus antecessores H1 e H2, este H3 tem no entanto tudo para ser um verdadeiro HUMMER, as linhas da sua silhueta não enganam, é um carro verdadeiramente musculado, verdadeiramente americano, de costas largas e como um verdadeiro culturista impõe respeito por onde passa e demonstra a sua força sempre que é necessário, mesmo parado este “Governador da Califórnia” parece estar sempre disposto a partir tudo à sua volta. Então poderia dizer que este “martelo” estaria predefinido para elaborar todos os tipos de trabalhos forçados, no entanto, consigo-o apenas enquadrar no conjunto de veículos que desenvolvem uma personalidade própria e estão carregados de carisma, veículos que se compram pelo que são e não pelo que poderiam ser. AHH e já me esquecia, é um HUMMER e foi esculpido, não é para mexer mais.
“Martelo” pneumático ou manual?
Com um Motor de 5 Cilindros em linha, que não é belo mas que se pode adjectivar de imponente, 3.5cc, debita 230cv, copulado a uma caixa automática de 3 relações e filtro de ar cónico, travões deveras eficazes, não acham que...Podia ser o V8. Podia, mas não sei se o pai natal o entregava, talvez trocasse o trenó e as renas por um belo e único HUMMER vermelho.
Fotos: Nélio Marques

2 comentários:

jose disse...

So lhe falta o tubo para ser um chaimíte ,um carro de combate , mas com mais conforto.os chaimites eram claustrofóbicos.

Pelourinho de Estremoz disse...

Visitei este blog e vou regressar. Interessante